Impressões…Não à indiferença!!!

É muito interessante que, quando menso esperamos, um amigo muito próximo chega e, de uma maneira muito gentil, como lhe é peculiar, nos revela quais as impressões que nós lhe causamos. Pois isso aconteceu comigo ontem, um grande amigo estendeu-me a mão com um pedaço de papel, que continha uma bela passagem de “La Città Futura” (A Cidade Futura)  um texto de Antônio Gramsci – militante do Partido Comunista Italiano – de 1917, logo após o final da Iª Grande Guerra. Transcrevo, na íntegra, o texto em italiano aqui, para os que sabem e apreciam a lígua. Abaixo está a tradução da parte que ganhei do meu amigo.

 INDIFFERENTI

Odio gli indifferenti. Credo come Federico Hebbel che “vivere vuol dire essere  Non possono esistere i solamente uomini, gli estranei alla città. Chi vive veramente non può non essere cittadino, e parteggiare. Indifferenza è abulia, è parassitismo, è vigliaccheria, non è vita. Perciò odio gli indifferenti.
L’indifferenza è il peso morto della storia. E’ la palla di piombo per il novatore, è la materia inerte in cui affogano spesso gli entusiasmi più splendenti, è la palude che recinge la vecchia città e la difende meglio delle mura più salde, meglio dei petti dei suoi guerrieri, perché inghiottisce nei suoi gorghi limosi gli assalitori, e li decima e li scora e qualche volta li fa desistere dall’impresa eroica.
L’indifferenza opera potentemente nella storia. Opera passivamente, ma opera. E’ la fatalità; e ciò su cui non si può contare; è ciò che sconvolge i programmi, che rovescia i piani meglio costruiti; è la materia bruta che si ribella all’intelligenza e la strozza. Ciò che succede, il male che si abbatte su tutti, il possibile bene che un atto eroico (di valore universale) può generare, non è tanto dovuto all’iniziativa dei pochi che operano, quanto all’indifferenza, all’assenteismo dei molti. Ciò che avviene, non avviene tanto perché alcuni vogliono che avvenga, quanto perché la massa degli uomini abdica alla sua volontà, lascia fare, lascia aggruppare i nodi che poi solo la spada potrà tagliare, lascia promulgare le leggi che poi solo la rivolta farà abrogare, lascia salire al potere gli uomini che poi solo un ammutinamento potrà rovesciare. La fatalità che sembra dominare la storia non è altro appunto che apparenza illusoria di questa indifferenza, di questo assenteismo. Dei fatti maturano nell’ombra, poche mani, non sorvegliate da nessun controllo, tessono la tela della vita collettiva, e la massa ignora, perché non se ne preoccupa. I destini di un’epoca sono manipolati a seconda delle visioni ristrette, degli scopi immediati, delle ambizioni e passioni personali di piccoli gruppi attivi, e la massa degli uomini ignora, perché non se ne preoccupa. Ma i fatti che hanno maturato vengono a sfociare; ma la tela tessuta nell’ombra arriva a compimento: e allora sembra sia la fatalità a travolgere tutto e tutti, sembra che la storia non sia che un enorme fenomeno naturale, un’eruzione, un terremoto, del quale rimangono vittima tutti, chi ha voluto e chi non ha voluto, chi sapeva e chi non sapeva, chi era stato attivo e chi indifferente. E questo ultimo si irrita, vorrebbe sottrarsi alle conseguenze, vorrebbe apparisse chiaro che egli non ha voluto, che egli non è responsabile. Alcuni piagnucolano pietosamente, altri bestemmiano oscenamente, ma nessuno o pochi si domandano: se avessi anch’io fatto il mio dovere, se avessi cercato di far valere la mia volontà, il mio consiglio, sarebbe successo ciò che è successo? Ma nessuno o pochi si fanno una colpa della loro indifferenza, del loro scetticismo, del non aver dato il loro braccio e la loro attività a quei gruppi di cittadini che, appunto per evitare quel tal male, combattevano, di procurare quel tal bene si proponevano.
I più di costoro, invece, ad avvenimenti compiuti, preferiscono parlare di fallimenti ideali, di programmi definitivamente crollati e di altre simili piacevolezze. Ricominciano così la loro assenza da ogni responsabilità. E non già che non vedano chiaro nelle cose, e che qualche volta non siano capaci di prospettare bellissime soluzioni dei problemi più urgenti, o di quelli che, pur richiedendo ampia preparazione e tempo, sono tuttavia altrettanto urgenti. Ma queste soluzioni rimangono bellissimamente infeconde, ma questo contributo alla vita collettiva non è animato da alcuna luce morale; è prodotto di curiosità intellettuale, non di pungente senso di una responsabilità storica che vuole tutti attivi nella vita, che non ammette agnosticismi e indifferenze di nessun genere.
Odio gli indifferenti anche per ciò che mi dà noia il loro piagnisteo di eterni innocenti. Domando conto ad ognuno di essi del come ha svolto il compito che la vita gli ha posto e gli pone quotidianamente, di ciò che ha fatto e specialmente di ciò che non ha fatto. E sento di poter essere inesorabile, di non dover sprecare la mia pietà, di non dover spartire con loro le mie lacrime. Sono partigiano, vivo, sento nelle coscienze virili della mia parte già pulsare l’attività della città futura che la mia parte sta costruendo. E in essa la catena sociale non pesa su pochi, in essa ogni cosa che succede non è dovuta al caso, alla fatalità, ma è intelligente opera dei cittadini. Non c’èin essa nessuno che stia alla finestra a guardare mentre i pochi si sacrificano, si svenano nel sacrifizio; e colui che sta alla finestra, in agguato, voglia usufruire del poco bene che l’attività di pochi procura e sfoghi la sua delusione vituperando il sacrificato, lo svenato perché non è riuscito nel suo intento.
Vivo, sono partigiano. Perciò odio chi non parteggia, odio gli indifferenti.

“La Città futura”, pp. 1-1 Raccolto in SG, 78-80.

Tradução

Odeio os indiferentes. Como Friederich Hebbel acredito que “viver significa tomar partido”. Não podem existir os apenas homens, estranhos à cidade. Quem verdadeiramente vive não pode deixar de ser cidadão, e partidário. Indiferença é abulia, parasitismo, covardia, não é vida. Por isso odeio os indiferentes.

A indiferença é o peso morto da história. É a bala de chumbo para o inovador, é a matéria inerte em que se afogam freqüentemente os entusiasmos mais esplendorosos, é o fosso que circunda a velha cidade e a defende melhor do que as mais sólidas muralhas, melhor do que o peito dos seus guerreiros, porque engole nos seus sorvedouros de lama os assaltantes, os dizima e desencoraja e às vezes, os leva a desistir de gesta heróica.(…)

Odeio os indiferentes também, porque me provocam tédio as suas lamúrias de eternos inocentes. Peço contas a todos eles pela maneira como cumpriram a tarefa que a vida lhes impôs e impõe quotidianamente, do que fizeram e sobretudo do que não fizeram. E sinto que posso ser inexorável, que não devo desperdiçar a minha compaixão, que não posso repartir com eles as minhas lágrimas. Sou militante, estou vivo, sinto nas consciências viris dos que estão comigo pulsar a atividade da cidade futura que estamos a construir. Nessa cidade, a cadeia social não pesará sobre um número reduzido, qualquer coisa que aconteça nela não será devido ao acaso, à fatalidade, mas sim à inteligência dos cidadãos. Ninguém estará à janela a olhar enquanto um pequeno grupo se sacrifica, se imola no sacrifício. E não haverá quem esteja à janela emboscado, e que pretenda usufruir do pouco bem que a atividade de um pequeno grupo tenta realizar e afogue a sua desilusão vituperando o sacrificado, porque não conseguiu o seu intento.

Vivo, sou militante. Por isso odeio quem não toma partido, odeio os indiferentes.

 Esse texto, que tem mais de 90 anos, não pode ser mais atual. Num momento em que grande parte das pessoas sente-se no direito de abdicar a reflexão profunda e responsável sobre os problemas da nossa “cidade”, questionar essa indiferença é o ponto de partida para colocar-se na posição de agente de mudanças na nossa sociedade. Quando criticamos muitos políticos, coisa que, de regra, seria saudável, há, por vezes, nessas críticas, um vazio no conteúdo que beira o próprio vácuo! Quem diz que não pode mais se acreditar na política não percebe que ela é, como dizia Aristóteles, inerente à condição humana. O homem só se realiza plenamente sendo um ser político. Logo, a política não é um direito, é um dever do ser humano, sob pena de, em abdicando da atuação política, perder a condição de cidadão. Não se fala aqui, da política “profissional”, mas de uma reflexão cuidadosa acerca dos problemas que afligem nossa sociedade. Ser indiferente a isso, como diz Gramsci, é de uma preguiça mental e moral tamanha, que chaga a desencorajar os que, por ventura, guardassem ainda a vontade de agire diferente.

Por isso, seja o que você for: estudante, professor, funcionário público, profissional liberal, empregado, patrão, preto, branco, mulher, homem, rico, pobre, miserável… Saiba que tem  um compromisso com a responsabilidade. Tem o dever de guardar um tempo do seu dia para procurar entender como as coisas funcionam nas “cidades”, e mais do que isso, tomar partido, escolher uma opção – já que se sabe que muitas delas são incompatíveis.

Com relação às impressões, se com as minhas palavras e atitudes consigo demostrar aos outros que não sou indifente, me soa como um eligio!

 

Ps: como agradecimento quero deixar minha admiração e meus respeitos aos meus amigos e a todos que conseguem, hoje em dia, fugir da indifereça.

Anúncios

~ por laurams em fevereiro 15, 2008.

3 Respostas to “Impressões…Não à indiferença!!!”

  1. Muito legal o texto Laura. Gostei muito.

    Sabe, devo confessar que todos esses anos morando no exterior perdi um pouco a vontade de militar, e me tornei de certa forma indiferentea quase tudo. Eh incrivel como nao me sinto parte dessa cultura que nao eh a minha. Agora, que estamos nos preparando para voltar ao Brasil, parece que esse desejo de “tomar partido” esta se despertando em mim novamente. Aparentemente estava apenas dormindo todos esses anos.

    Eh engracado que as pessoas, meus leitores la no blog, andam se assustando com minhas palavras e se preocupando comigo. O que esta acontecendo com voce ? Anas tao agressiva. Me perguntam… ta ai. Agora acho que tenho uma resposta boa. Vou comecar a dizer que estou deixando de ser indiferente.

    Essa volta ao Brasil esta me fazendo bem 🙂
    bjs e um otimo final de semana para voce,
    Lys

  2. Q legal que tu gostou!!!
    Sabe, as vezes ser rotulado de “agressivo” é um elogio, principalmente se for em relação a tomar partido na vida. Eu respeito uma pessoa que tem opinião diferente da minha e fundamenta-a de maneira coerente. Mas, de maneira alguma, repseito quem simplesmente não tem opinião sobre coisas tão importantes quanto os assuntos das nossas “cidades”. Essas mesmas pessoas são tão articuladas quando falam de novela ou futebol – não que eu não goste de futebol, adoro – assuntos de menos relevância nas nossas vidas.
    Lys, obrigada pela visita e espero que sejamos cada vez menos indiferente.

    Bjos

  3. Laura, voce nao quer participar da coletiva no dia 8 de marco ?
    A ideia eh resgatar o sentido de luta desse dia para as mulheres ? Quando tiver uma folguinha de uma olhadinha nesse link aqui:

    http://universodesconexo.wordpress.com/2008/02/18/pela-valorizacao-da-mulher-brasileira/

    Acho que voce teria coisas otimas para dividir com a gente 🙂
    beijos
    Lys

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: